Uma dúvida muito comum que recebo de estudantes de Direito recém-formados é em relação a como dar os primeiros passos na hora de começar a advogar.

Já falei aqui sobre o que não pode faltar na hora de criar o currículo ideal, mas o que fazer quando o advogado iniciante decide começar sua vida profissional como autônomo, sem trabalhar em outros escritórios? Por onde começar?

Em primeiro lugar, é importante destacar que passamos por um dos momentos mais acirrados desta área. O mercado está saturado e a concorrência é grande, o que exige muito esforço e dedicação, especialmente na fase inicial da carreira.

Nesse contexto, elenquei algumas dicas pessoais para quem ainda está meio perdido em relação a qual caminho seguir, sobre como começar a advogar:

1. Dividir uma sala (ou sequer ter escritório físico)

Um dos grandes obstáculos de boa parte dos advogados recém-formados é, certamente, o dinheiro. Não é todo mundo que consegue arcar sozinho com as despesas de toda a estrutura de um escritório para desenvolver suas atividades.

Desse modo, uma das alternativas para contornar esse problema é dividir uma sala com algum parceiro da sua confiança e com quem você possa compartilhar os custos.

Veja bem: não se trata de criar uma sociedade. Como o advogado em começo de carreira dificilmente tem uma agenda muito cheia, é possível compartir um escritório revezando períodos, em que cada um toca seu próprio negócio de maneira independente em determinada parte do dia.

No entanto, para  que esse tipo de parceria funcione, é importante criar regras que garantam organização e equidade no uso do espaço. Afinal, flexibilidade de horários para atender clientes é algo fundamental e nem sempre vai ser possível agendar todo mundo para o mesmo período.

A outra opção é abrir mão do escritório físico e trabalhar de casa.

Com a facilidade de acesso à internet e a profissão de meios de contato que temos hoje, é perfeitamente possível tocar os seus negócios sem ter uma sede fixa, sendo um advogado que opera home office. Quando necessário, reuniões e encontros podem ser marcados em algum café ou em salas alugadas em espaço de coworking, por exemplo.

2. Fazer com que todos saibam que você começou a advogar

O maior desafio para quem está começando a advogar como autônomo é conquistar os primeiros clientes. Para isso, é fundamental correr atrás e certificar-se de que todo mundo saiba que você iniciou seu próprio negócio e que está pronto para o trabalho.

Sendo assim, envie um e-mail para os seus contatos – amigos, colegas e familiares – contando sobre suas conquistas e colocando-se à disposição. Destaque isso nas suas redes sociais e pegue o hábito de apresentar-se com mais frequência. Na advocacia, o boca a boca continua sendo uma ferramenta muito eficaz.

Outra dica é sair da bolha do mundo jurídico e ir a espaços e eventos frequentados por profissionais de outras áreas. Congressos, simpósios e seminários são lugares em que você pode conhecer novas pessoas e ampliar sua rede de contatos.

3. Aproveitar ferramentas gratuitas

Existe uma infinidade de soluções interessantes na internet que podem te ajudar na fase inicial da sua carreira. De aplicativos para organização de tarefas a softwares destinados ao meio jurídico, use e abuse das ferramentas que você tem à sua disposição.

Pensando nisso, uma alternativa interessante e que cada vez mais advogados vêm adotando é a criação de um blog com textos próprios, escritos por você mesmo.

Através da produção de conteúdo, você aumenta suas chances de ser visto e encontrado por clientes que estão atrás de soluções para os seus problemas na internet. Além disso, você consegue se posicionar no mercado ao expor as suas ideias e ao se relacionar com os leitores.

Por fim, ao se dedicar à criação de diferentes conteúdos, é inevitável descobrir novos interesses e aprofundar seus conhecimentos.

4. Especializar-se

Cada vez mais, o mercado está focado em profissionais especialistas em uma determinada área do conhecimento. De fato, advogados que atuam em áreas específicas, como direito trabalhista ou ambiental, por exemplo, tendem a ganhar mais quando comparados àqueles que não têm nenhuma especialização.

Por isso, pense no campo do Direito que mais lhe atrai e especialize-se. Fique atento aos movimentos do mercado, aproveitando as novas possibilidades de atuação profissional que surgem constantemente.

O mercado de hoje exige um profissional capacitado, com conhecimentos que vão além do Direito. No meu curso de Empreendedorismo Jurídico, você tem acesso a conteúdos multidisciplinares, como Marketing, Administração e Finanças, que vão te ajudar a estruturar seu escritório e a ingressar de verdade no mercado de trabalho. Capacite-se!

5. Não cometer erros de iniciantes

Seja por falta de experiência ou de conhecimento, muitos advogados iniciantes cometem alguns erros básico e que podem acabar prejudicando o seu negócio na hora de começar a advogar.

O simples fato de não dominar a língua portuguesa e não saber estruturar corretamente um texto, por exemplo, pode fazer com que suas petições sejam rejeitadas, além de passar uma imagem ruim para os clientes.

Outros erros comuns como não prestar um atendimento de qualidade ou perder os prazos estabelecidos também podem comprometer a sua imagem de profissional sério e preparado, prejudicando a sua carreira e seus negócios logo no pontapé inicial.

Para te ajudar a evitar esses e outros erros e a estar bem preparado para um mercado cada vez mais exigente, preparei o Kit Para Alcançar o Sucesso na Advocacia, como conteúdos gratuitos e exclusivos. Receba agora!

Comentários

comentários

O Professor Rodrigo Padilha é empreendedor com empresas no Brasil e nos EUA, com uma das maiores turmas de segunda fase de Direito Constitucional do Brasil e se dedica a ensinar advogados a conquistarem sucesso na carreira através dos métodos criados e aplicados por ele para alcançar o tão sonhado equilíbrio na vida através do Empreendedorismo Jurídico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*