Qual é o real impacto da Inteligência Artificial na advocacia?

Postado em por Rodrigo Padilha.

A cada dia, novas tecnologias e ferramentas são desenvolvidas e aplicadas em diversas áreas do mercado de trabalho. São avanços como a Inteligência Artificial, que visam aumentar a produtividade de setor em que são empregadas e otimizar o trabalho dos seres humanos envolvidos naquela profissão. E na advocacia isso não é diferente.

Conceito que já vem sendo aplicado em países como os Estados Unidos, aos poucos a IA vem ganhando espaço nos escritórios do Brasil, auxiliando os advogados em suas tarefas diárias.

Mas que evoluções e revoluções a Inteligência Artificial trará para a advocacia? Quais as vantagens de empregar esse tipo de tecnologia no dia a dia do escritório? Será que a profissão está em risco? É isso que vou tentar explicar hoje para você. Venha comigo!

Inteligência Artificial na advocacia: o que será diferente?

Indo direto ao ponto, o foco principal da aplicação da Inteligência Artificial na advocacia é livrar os profissionais de tarefas maçantes e repetitivas, como revisões, análises e pesquisas de documentos, de modo a otimizar seu tempo e deixá-los livres para focar naquilo que realmente importa neste ramo: atender o cliente.

Por meio de ferramentas automatizadas e capazes de aprender sozinhas (conceito conhecido como machine learning), advogados e seus subordinados poderão realizar consultas e pesquisas de informações jurídicas com muito mais eficiência e rapidez.

Um curioso estudo feito recentemente mostrou a diferença que o uso da Inteligência Artificial pode fazer no dia a dia dos escritórios. Foi o seguinte: uma startup de tecnologia jurídica juntou um grupo com 20 advogados experientes de grandes empresas americanas para testar seus conhecimentos e capacidade de análise contra uma máquina de IA.

O objetivo era simples: examinar os riscos em cinco contratos de confidencialidade diferentes. Para se ter uma ideia da discrepância de rendimento, o advogado mais veloz demorou 100 vezes mais do que a máquina para analisar os documentos. Sem falar que o grupo conseguiu uma precisão de 85% contra 94% da ferramenta. Espantoso, não?

Sendo assim, mais do que uma simples forma de ganhar tempo, empregar a Inteligência Artificial é – e vai se tornar cada vez mais – uma importante vantagem competitiva no mercado, uma vez que as empresas podem focar seus esforços na manutenção e construção de relacionamentos com o cliente, oferecendo um serviço de melhor qualidade e, assim, obtendo cada vez melhores resultados.

Quais as tendências na advocacia com a Inteligência Artificial?

Ferramentas de pesquisa jurídica

Um exemplo bacana do uso da Inteligência Artificial na advocacia são as ferramentas inteligentes de pesquisa. Uma delas é o ROSS, conhecido como o “primeiro advogado de IA do mundo”.

Desenvolvida nos EUA, a ferramenta já vem auxiliando escritórios americanos em suas pesquisas, fornecendo resultados relevantes e juridicamente embasados em relação ao termo buscado.

Funciona assim: o advogado faz uma pergunta ao ROSS, que vai interpretá-la e buscar em seu banco de dados referências bibliográficas, de legislação e de outros casos, apresentando uma conclusão e uma resposta. O robô ainda monitora novos processos e notifica quaisquer novidades. E o melhor: quanto mais é utilizada, mais a ferramenta aprende e se torna mais precisa.

Smart apps

Outro exemplo de IA no setor da advocacia são os chamados smart apps jurídicos. Alguns grandes escritórios estrangeiros já contam com ferramentas que tiram as dúvidas de advogados e clientes em relação a determinado assunto de sua especialidade (como recursos humanos, vendas, entre outros) sem qualquer necessidade de interferência humana.

Esses aplicativos conseguem responder a inúmeras questões legais e, assim como o ROSS, oferecem respostas baseadas na lei e na regulamentação do setor. Além disso, os resultados ficam arquivados para servirem como base para futuros casos e pesquisas.

Como comentei, o foco da Inteligência Artificial na advocacia é maximizar o produtividade do advogado, deixando os seres humanos focados em tarefas que só nós somos capazes de realizar, como aquelas que envolvem análise crítica, criatividade e competências sociais.

Então, pode ter certeza: a IA e suas soluções não vão tirar o emprego de ninguém. Pelo contrário: elas vão ajudar a nos tornarmos ainda melhores profissionais e a melhorar a gestão dos escritórios de advocacia!

Por tudo isso que vimos, é fundamental estarmos sempre por dentro das novidades na área do Direito, sejam elas tecnológicas ou não. Sempre estão surgindo novas ferramentas e metodologias que podem influenciar positivamente no trabalho do advogado, otimizando nossa atuação e facilitando nossa vida.

E agora que você já sabe sobre Inteligência Artificial na advocacia, não deixe de assistir ao minicurso gratuito de Empreendedorismo Jurídico que eu preparei!

Ele irá lhe ajudar a entender alguns pontos cruciais sobre o seu escritório (que você não aprendeu na faculdade), como marketing jurídico, negociação de honorários e reprogramação mental. Continuamos o nosso papo por lá!

Rodrigo Padilha

O Professor Rodrigo Padilha é pioneiro e fundador do Empreendedorismo Jurídico e do Programa Maverick no Brasil, além de fundador da Legião, que é uma das maiores turmas de 2ª fase da OAB no país. Atualmente coordena diversos negócios no Brasil e nos EUA e se dedica a ensinar advogados e outros profissionais a atingirem o sucesso através do empreendedorismo.