Nomes para escritório de advocacia: dicas para escolher o seu

Postado em por Rodrigo Padilha.

Um ponto muito importante na carreira de todo empreendedor da área jurídica é entender como escolher o nome para o seu escritório de advocacia. Esse processo deve ser realizado com bastante planejamento e cuidado.

É sempre bom ressaltar que o nome é o que vai fazer com que os clientes lembrem e recomendem seu escritório: é algo que você poderá carregar para o resto da sua vida profissional.

O ideal é que o nome seja capaz de transmitir uma série de valores e causar uma boa impressão para as pessoas. Mas é importante lembrar de um detalhe crucial: o artigo 16 do Estatuto da Advocacia, que diz:

  • § 1º A razão social deve ter, obrigatoriamente, o nome de, pelo menos, um advogado responsável pela sociedade, podendo permanecer o de sócio falecido, desde que prevista tal possibilidade no ato constitutivo.

  • § 4o  A denominação da sociedade unipessoal de advocacia deve ser obrigatoriamente formada pelo nome do seu titular, completo ou parcial, com a expressão ‘Sociedade Individual de Advocacia’.

Isso significa, nitidamente, que eles precisam estar atrelados ao nome de pelo menos um advogado da sociedade; ou seja, é proibido que uma sociedade de advogados use um nome fantasia, o que reduz bastante a possibilidade de se utilizar nomes muito criativos para um escritório de advocacia ou de buscar por sugestões de nomes com outros advogados.

Outro detalhe importante é o uso de siglas: algumas bancas têm adotado siglas em vez dos nomes dos sócios. Porém, essa prática já tem sido vista com maus olhos pelos tribunais de ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Essa limitação, na verdade, facilita um pouco a escolha, já que, necessariamente, é preciso utilizar o nome de um dos associados. Entretanto, ainda assim é necessário avaliar quais são as melhores opções de nomes para seu escritório de advocacia de acordo com as alternativas disponíveis.

Nesse sentido, no momento da escolha, é fundamental levar em consideração os aspectos legais relacionados à sua marca. Para isso, antes de bater o martelo, é preciso verificar a disponibilidade comercial do nome e as demais questões relacionadas a patentes e registros.

Outro passo a ser tomado – e que muita gente acaba esquecendo – é checar se há domínios disponíveis na internet para registro de um site com o nome escolhido para o escritório.

O que você deve seguir ao escolher o nome para o seu escritório de advocacia

Antes de mais nada, você não precisa se limitar apenas a seu nome ou sobrenome – ou de seus sócios. Claro que ao menos um nome tem que estar presente, mas você pode usar também outros complementos como: Grupo, Advogados Associados, Assessoria Jurídica e outras denominações.

Sabendo disso, separei algumas dicas para ajudar você a escolher nomes para o seu escritório de advocacia. São elas:

Escolha um nome fácil de lembrar

O cliente precisa sair de uma reunião com você lembrando o nome do seu escritório de advocacia. Olhe para as opções disponíveis e pense: qual a mais memorável de todas? Se o cliente precisar olhar seu cartão para lembrar é porque algo está errado. Um nome simples e forte é sempre a melhor opção.

Para facilitar a escolha, você pode pedir ajuda a pessoas próximas, como familiares e amigos. Selecione 3 ou 4 opções e peça a opinião deles. Essa é uma prática interessante para sair da bolha e ter a opinião de pessoas que não têm relação com a área do Direito – assim como será com a maioria dos seus clientes.

Evite nomes difíceis de soletrar

E se os clientes lembrarem do seu nome, mas não lembrarem como se escreve? Isso pode ser um problema, pois ao procurar o nome de seu escritório na internet, por exemplo, eles podem não encontrar você!

Pode até ser bonito um sobrenome como Schweinsteiger, mas já pensou quantas pessoas não conseguiriam achar seu escritório por causa da difícil grafia?

Prefira nomes curtos

Combinar os nomes dos sócios pode ajudar a criar nomes pomposos e sonoros. No entanto, é importante lembrar que o mercado está lotado de escritórios no estilo ´Sócio A & Sócio B’, e ser mais um deles talvez não seja a estratégia mais interessante para quem deseja se destacar da concorrência.

Sendo assim, sempre lembrando das dicas anteriores, busque uma opção que seja curta e objetiva, ao mesmo tempo que não seja muito comum e acabe passando batida pelo cliente.

Lembre-se de que nomes longos, como aqueles que combinam os sobrenomes de muitos sócios, podem criar confusões, tornando mais difícil que o escritório seja lembrado e reconhecido pelos clientes, e dificultando até mesmo que o site da firma seja encontrado na internet.

Associe sua marca e à sua especialidade

Uma boa opção é incluir a especialidade do escritório no nome da empresa. Isso ajuda a destacar a marca e diferenciá-la no mercado, além de deixar mais claro para potenciais clientes que estiverem em busca de um profissional especializado em uma determinada área.

Para isso, pense em nomes no estilo ‘Grupo Silveira de Direito Tributário’ ou ‘Advocacia Trabalhista Costa e Souza’, por exemplo.

O que você não deve fazer ao escolher o nome do seu escritório de advocacia

Além de saber o que fazer, como falei nas dicas acima sobre nomes para a sua empresa de advocacia, você precisa saber também o que evitar. Algumas sugestões para você levar em consideração:

  • Em hipótese alguma crie um nome parecido com o de seus concorrentes;

  • Evite nomes estrangeiros ou complexos;

  • Tome cuidado para não criar nomes que tenham duplo sentido ou que possam virar piadas e trocadilhos;

  • Não minta: não utilize nomes de pessoas que não são sócias ou especialidades que o escritório não pratica.

O nome é muitas vezes a primeira impressão que o cliente tem de seu escritório. Lembre-se disso! Pense na imagem que você vai passar. Ela precisa ser positiva, caso contrário, você pode ter dificuldades na hora de conquistar novos clientes.

Pra finalizar, outro ponto importantíssimo é não se esquecer de fazer o registro do nome. Recomendo este artigo para ajudar você com essa tarefa!

Gostou das dicas? Espero que elas ajudem você na hora da escolha do nome para seu escritório de advocacia.

E, aproveitando o assunto, não deixe de assistir ao mini-curso gratuito de Empreendedorismo Jurídico que eu preparei – que irá lhe ajudar a entender alguns pontos cruciais sobre o seu escritório (que você não aprendeu na faculdade), como marketing jurídico, negociação de honorários e reprogramação mental. Continuamos o nosso papo por lá!

Rodrigo Padilha

O Professor Rodrigo Padilha é pioneiro e fundador do Empreendedorismo Jurídico e do Programa Maverick no Brasil, além de fundador da Legião, que é uma das maiores turmas de 2ª fase da OAB no país. Atualmente coordena diversos negócios no Brasil e nos EUA e se dedica a ensinar advogados e outros profissionais a atingirem o sucesso através do empreendedorismo.



Matrículas abertas!

Empreendedorismo
Jurídico