Médicos brasileiros podem trabalhar em Portugal? Confira!

Postado em por Rodrigo Padilha.

Cada vez é maior o número de brasileiros que procuram seguir suas carreiras fora do país. Muitas vezes, no entanto, essa mudança pode significar ter que abrir mão de uma vida profissional confortável por aqui para começar do zero em terras estrangeiras.

Esse é o caso de muitos médicos brasileiros, que, cada vez em maior número, têm se mudado para Portugal em busca de, entre outras coisas, mais segurança e melhor condições de vida. Não à toa, o ano de 2018 registrou o recorde de inscrições de profissionais brasileiros em terras lusitanas.

Com o desejo de buscar uma nova vida na Europa, vêm também as dúvidas: médico brasileiro pode trabalhar em Portugal? Como validar o diploma? Como é o mercado de trabalho? Será que o salário é bom?

São justamente essas perguntas que vou tentar responder para você hoje. Vamos lá?

Médico brasileiro pode trabalhar em Portugal?

A resposta é curta e grossa: sim, é possível. No entanto, não é só chegar em Portugal e sair procurando um emprego. Existe uma série de burocracias que devem ser resolvidas para obter a autorização para atuar em instituições públicas e privadas do sistema de saúde português.

Para quem completou sua formação em Medicina no Brasil, é necessário passar pelo processo de validação do diploma em Portugal – lá, conhecido como equivalência. Como o próprio nome já diz, essa etapa consiste em reconhecer o título de um profissional estrangeiro como equivalente ao grau de mestre em Medicina em Portugal.

O processo, que pode ser bastante demorado, é composto de quatro etapas. São elas:

  • Etapa documental: consiste na entrega dos documentos necessários para candidatar-se ao reconhecimento o título, tais com diploma, histórico escolar, ementa das disciplinas cursadas, entre outros.
  • Prova teórica: caso o profissional brasileiro tenha sua documentação aprovada, é necessário realizar uma prova. O teste contém 120 questões de múltipla escolha sobre as principais áreas da Medicina. Para ser aprovado, é necessário acertar, no mínimo, 50%.
  • Prova prática: para quem passou na prova teórica, o próximo passo é a realização de um teste prático. Geralmente, ele consiste em prestar atendimento a casos clínicos reais e, posteriormente, produzir relatórios completos sobre cada um deles e discuti-los com um grupo de professores avaliadores. Aqui, também é necessário obter pelo menos 50% da nota.
  • Prova pública: a última etapa consiste na apresentação de um trabalho científico a um júri de professores. Para quem possui mestrado, é necessário defender sua dissertação, enquanto para quem possui apenas a Graduação, é preciso apresentar uma monografia, trabalho científico, relatório de estágio ou documento de relevância semelhante.

Após a conclusão do processo, se aprovado, o médico brasileiro deve realizar sua inscrição na Ordem dos Médicos de Portugal para, assim, poder exercer a profissão. Aliás, essa é outra etapa que pode ser bastante demorada.

Vale ainda destacar que, mesmo que seja aprovado, o médico pode não ter reconhecida sua autonomia para trabalhar na área.

Explico: caso ao profissional seja liberado o exercício da profissão com autonomia, isso quer dizer que ele está apto para atuar como generalista em Portugal, podendo trabalhar apenas como clínico geral. Para atuar em alguma especialidade ou dar plantão em emergências, por exemplo, é necessário revalidar a especialização ou fazer uma residência.

Por outro lado, caso o médico receba a liberação para exercício da profissão sem autonomia, é obrigatório passar por um ano de prática médica tutelada para, aí sim, realizar um novo exame que o libere para atuar livremente na especialidade escolhida.

Por fim, é importante lembrar que todo esse processo tem um custo e demanda tempo. De uma maneira geral, a conclusão de todos os trâmites pode levar em torno de 10 a 12 meses e o valor das taxas de inscrições e dos exames pode ficar entre de 500 e 800 euros. Por isso, programe-se!

Vale a pena ser médico em Portugal?

Muita gente relaciona trabalhar no exterior com grandes salários e uma vida glamurosa. No entanto, é importante avisar que não é bem assim. Embora a profissão de médico seja extremamente respeitada e valorizada em Portugal, os profissionais ganham relativamente pouco em Portugal, mesmo quando comparamos com os salários pagos no Brasil.

Enquanto que, por aqui, um médico pode chegar a ganhar R$ 30 mil por mês – ou, em alguns casos altamente especializados e bem sucedidos, superar os R$ 100 mil mensais – na “Terrinha” a coisa é diferente.

Lá, médicos especialistas com uma carga de 35 horas de dedicação exclusiva ganham pouco mais de 4 mil euros – o equivalente a, aproximadamente, R$ 17 mil. Por sua vez, os profissionais sem especialidade não chegam a ganhar mais do que 2 mil euros – cerca de R$ 8 mil.

Mercado de trabalho para médicos em Portugal

Como comentei, o médico em Portugal é um profissional altamente reconhecido e respeitado. Além disso, o profissional que preferir imigrar para a antiga metrópole vai encontrar condições de trabalho bem melhores das que são, normalmente, vistas por aqui. Os hospitais estão sempre bem abastecidos, não há filas quilométricas de pacientes e o que impera é a organização.

Em relação às possibilidades de atuação, Portugal conta tanto com as instituições públicas de saúde quanto estabelecimentos privados. Nesse sentido, é comum no país encontrar unidades de Parceria Público-Privada (PPP), que, aliás, são as que costumam absorver boa parte dos profissionais estrangeiros.

Por fim, vale destacar que, como acontece com boa parte dos imigrantes que começam a trabalhar em outro país, é comum que haja certa resistência por parte dos pacientes, ao menos no início dos atendimentos. Por isso, persistência e paciência!

Agora que você já sabe como um médico brasileiro pode trabalhar em Portugal, não deixe de assistir ao mini-curso gratuito de empreendedorismo que eu preparei para você entender como atrair pacientes, estabelecer o preço de suas consultas e gerir seu fluxo de caixa – aqui ou do outro lado do Atlântico. Continuamos o nosso papo por lá!

Rodrigo Padilha

O Professor Rodrigo Padilha é pioneiro e fundador do Empreendedorismo Jurídico e do Programa Maverick no Brasil, além de fundador da Legião, que é uma das maiores turmas de 2ª fase da OAB no país. Atualmente coordena diversos negócios no Brasil e nos EUA e se dedica a ensinar advogados e outros profissionais a atingirem o sucesso através do empreendedorismo.