Como montar um consultório de psicologia? Confira o passo a passo!

Postado em por Rodrigo Padilha.

A psicologia é uma profissão que permite atuação em diferentes frentes. Nesse sentido, um dos caminhos mais escolhidos é a psicologia clínica, que possibilita aos profissionais atuarem em diversos ambientes, como hospitais, escolas, empresas e, claro, em consultórios particulares.

Para aqueles que optam por ter um negócio próprio, é fundamental estar atento aos trâmites burocráticos, às obrigações legais e às ferramentas que permitirão a consolidação de um empreendimento competitivo e bem sucedido no mercado.

Passo a passo de como montar um consultório de psicologia

1. Tenha a documentação necessária em mãos

Como é praxe no Brasil, a papelada para montar um consultório de psicologia não é pequena. Confira as principais:

Registros e cadastros

Em primeiro lugar, é obrigatório que qualquer psicólogo que atue na área esteja devidamente registrado no Conselho Regional de Psicologia do seu estado. Somente assim ele estará exercendo a profissão legalmente.

Esta etapa costuma ser pouco burocrática, com o único inconveniente de ter que levar os documentos exigidos pessoalmente até a sede do CRP.

Em seguida, é necessário cadastrar-se junto à prefeitura do município.

Aqui, há duas alternativas: registrar-se como profissional autônomo (Pessoa Física) ou como microempresa (Pessoa Jurídica). Caso opte pela segunda opção, é necessário solicitar o CNPJ junto à Receita Federal. Vale lembrar ainda que, infelizmente, a profissão de psicólogo não pode ser registrada como MEI.

A partir daí, há outras burocracias um pouco mais extensas, tais como: registro do consultório no CRP, solicitação da Inscrição Estadual da empresa, registro na Junta Comercial do estado, enquadramento na Entidade Sindical Patronal e cadastro junto à Caixa Econômica Federal.

Alvarás e impostos

Feito isso, é hora de garantir o alvará de funcionamento da empresa. Essa etapa também é feita na prefeitura do município. Ademais, é preciso regularizar o estabelecimento junto ao Corpo de Bombeiros.

Em seguida, é a vez do cadastro na Anvisa, passo obrigatório para todo profissional e para todos os consultórios da psicologia que atuam no Brasil. Além disso, é preciso agendar uma vistoria do órgão ao estabelecimento para regulamentar a estrutura física.

Por fim, é o momento de lidar com a tributação. Entre os principais impostos que incidem nesta área estão:

  • Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS)
  • Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ)
  • Contribuição Social Sobre o Lucro (CSLL)
  • PIS, Pasep e COFINS

2. Escolha a localização

Por se tratar de um estabelecimento de prestação de serviços à população, a localização do imóvel merece atenção especial. Ao montar um consultório de psicologia, é fundamental escolher um ponto de fácil acesso, pensando tanto nos clientes que chegariam de transporte público quanto em automóveis, facilitando seu deslocamento.

Pensando nisso, preste atenção ao bairro em que será instalada a clínica. Opte por regiões com boa estrutura viária e boa movimentação de pessoas. Atente-se também às condições de segurança.

Caso seja um espaço dentro de um prédio comercial, certifique-se que é possível estender o horário de atendimento até depois das 18 horas.

Por fim, prefira imóveis que tenham estacionamento e não se esqueça de considerar as estruturas acessibilidade. Além de vagas exclusivas para pessoas com mobilidade reduzida e idosos, é preciso contar com rampas de acesso e/ou elevadores, bem como banheiros adaptados e espaços para espera.

3. Cuidado ao escolher o imóvel

A estrutura física necessária para o funcionamento do consultório também deve ser levada em consideração no momento da escolha do ponto. Um espaço bem estruturado passa uma boa imagem aos clientes, ajudando a prestar um bom atendimento e a conquistar credibilidade e confiança.

Sendo assim, algumas estruturas básicas são:

  • Recepção: espaço para receber os clientes. Sofás e cadeiras de espera são bem-vindos. Para os recepcionistas, não se esqueça de mesa, cadeira e equipamentos para atendimento, como telefone e computador.
  • Banheiros: mesmo que seja apenas um, é preciso que seja acessível para cadeirantes.
  • Salas de atendimento: devem ter, no mínimo, 7,5 m² e oferecer bom isolamento acústico, preservando a privacidade dos pacientes e evitando que barulhos externos atrapalhem a sessão.
  • Outros espaços: almoxarifados para guardar materiais de apoio e limpeza e salas para as atividades administrativas e financeiras.

Além da estrutura necessária, é preciso decidir se o imóvel será alugado, comprado ou até mesmo sublocado.

No caso de compra, o futuro proprietário deve considerar que, apesar de não precisar pagar um aluguel todos os meses, será necessário arcar com outros gastos mensais fixos, como IPTU, luz, telefone, internet e eventuais manutenções.

Se optar pelo aluguel, o principal fator a ser levado em consideração é a burocracia das imobiliárias e a necessidade de contar com fiadores ou de pagar um cheque caução. Em compensação, reparos estruturais, rateios de condomínio e outras despesas do tipo ficam a cargo do proprietário do imóvel.

Também há a opção da sublocação. Trata-se da melhor alternativa para quem está começando e ainda não tem um fluxo de caixa suficiente para se manter. Nesse sentido, alugar espaços por hora ou por turno pode ajudar bastante a reduzir os gastos.

4. Equipamentos necessários

Na hora de montar um consultório de psicologia, é importante pensar nos equipamentos que serão necessários para o devido funcionamento da empresa e para o desenvolvimento das atividades diárias.

Para a sala de recepção, os principais itens são:

  • Água potável com copos descartáveis.
  • Poltronas e cadeiras.
  • Mesa de trabalho e cadeira para os atendentes.
  • Computadores, impressoras, telefones e interfones.
  • Móveis para arquivo.

Já para os espaços de atendimento, é importante considerar:

  • Mobília para o profissional (mesa, cadeira e estante).
  • Computador, impressora e telefone.
  • Poltrona e mesa de apoio para o paciente.

5. Invista na divulgação

Em um mercado tão competitivo, é fundamental investir em estratégias de divulgação do seu negócio. Afinal, de nada adianta seguir todos os passos anteriores se o público não chegar a ter conhecimento dos serviços prestados pelo consultório.

Além de meio tradicionais de divulgação, como propagandas de rua e em veículos de comunicação, adotar as principais estratégias de marketing digital é fundamental para atingir um número maior de pessoas e conquistar o público por meio de ações nas principais plataformas digitais, como site, blog e redes sociais.

6. Seja credenciado nos planos de saúde

Existem diversas empresas de plano de saúde em atuação no Brasil. Embora haja vantagens e desvantagens em cada uma delas, credenciar-se a convênios é uma boa maneira de ampliar a quantidade de pessoas atendidas.

Para isso, no entanto, é fundamental pesquisar as condições de cada plano e verificar aqueles que melhor atendem às necessidades da empresa, especialmente no aspecto financeiro.

Agora que você já sabe como montar um consultório de psicologia, não deixe de assistir ao mini-curso gratuito de empreendedorismo para psicólogos que eu preparei para você – que irá lhe ajudar a entender como atrair pacientes, estabelecer o preço de suas consultas e gerir seu fluxo de caixa. Continuamos o nosso papo por lá!

Rodrigo Padilha

O Professor Rodrigo Padilha é pioneiro e fundador do Empreendedorismo Jurídico e do Empreendedorismo Maverick no Brasil, além de fundador da Legião, que é uma das maiores turmas de 2ª fase da OAB no país. Atualmente coordena diversos negócios no Brasil e nos EUA e se dedica a ensinar advogados e outros profissionais a atingirem o sucesso através do empreendedorismo.